5G e a IoT: um vislumbre do futuro sobre o que esperar na sua casa

By on Oct 30, 2020

5G e a IoT: um vislumbre do futuro sobre o que esperar na sua casa e comunidade

Imagine que há 20 anos atrás alguém num jantar prevê que um dia alguém pode ir à loja de eletrodomésticos e comprar um frigorífico com ligação à Internet. O seu alter ego do ano 2000 pode ter rejeitado essa ideia e, em seguida, ter pensado “Porque é que alguém faria isso?”

No entanto, aqui estamos.

Hoje em dia, muitas coisas estão ligadas. Os nossos eletrodomésticos, sistemas de segurança, e até mesmo as nossas máquinas de café.  Até agora neste mês, falámos sobre proteger estes dispositivos ligados e proteger estas novas fronteiras digitais à medida que os dispositivos da Internet das Coisas (IoT) transformam não só as nossas casas, mas também as empresas e as comunidades.

Para finalizar o mês de sensibilização da cibersegurança, vamos ver que forma poderia tomar a próxima vaga de dispositivos ligados, analisando a rede em que milhares de milhões deles se encontrarão: as redes 5G.

O 5G é a chave

Com certeza viu muitos anúncios das grandes operadoras móveis à medida que promovem a implementação das suas novas e mais poderosas redes 5G. E são mais poderosas. Para começar, espera-se que o 5G seja cerca de 10 vezes mais rápido que as redes 4G LTE, de que muitos de nós desfrutam atualmente. Pode até ficar ainda mais rápido à medida que o tempo passe.

Embora a menção de velocidades mais rápidas continue a ser o principal argumento de venda nos anúncios e afins, o 5G oferece mais um par de grandes vantagens: maior largura de banda e menor latência. Em conjunto, significa que as redes 5G podem alojar mais dispositivos do que anteriormente e com um tempo de resposta quase instantâneo.

As implicações destes avanços é que milhares de milhões de novos dispositivos irão ligar-se a redes móveis diretamente, a velocidades estonteantes, ao invés de a redes Wi-Fi. Desses, muitos milhares de milhões de dispositivos serão IoT. E isso significa mais do que apenas telemóveis.

Como serão esses dispositivos?

Uma resposta é muito mais do que já começamos a ver hoje, como os dispositivos comerciais e industriais que monitorizam veículos da frota, abrem fechaduras nas entregas de reboques de camiões com base na localização, monitorizam os sistemas de aquecimento e ar condicionado, supervisionam as cadeias de abastecimento. Veremos também mais dispositivos a gerir o tráfego, fazer leituras de serviços públicos e ligar dispositivos utilizados na saúde, energia e agricultura. Para além daqueles que já possuímos, como os dispositivos wearables e até mesmo a tecnologia IoT nos nossos carros.

Em conjunto, adicionaremos cerca de 15 milhares de milhões de novos dispositivos IoT aos 26 milhares de milhões de dispositivos IoT já em funcionamento hoje em dia para obter um total de 41 milhares de milhões de dispositivos IoT em 2025.

Proteger o 5G e a IoT

Citar esses exemplos de aplicações IoT destaca a necessidade capital que é a segurança nas novas redes 5G. Esta é uma rede de que vamos depender de inúmeras formas. As empresas confiarão as respetivas operações aos dispositivos IoT que operam nela. As cidades irão gerir a respetiva infraestrutura com os dispositivos 5G IoT. E nós, como pessoas, usaremos as redes 5G para tudo, desde entretenimento até à saúde. Não só os dispositivos IoT necessitarão eles próprios de proteção, como as redes necessitarão também que a respetiva proteção seja reforçada. E poderá ter a certeza de que uma segurança de rede aumentada e a segurança em geral, fará parte da nossa previsão futura.

O GSMA, um grupo industrial que representa mais de 750 operadoras no espaço móvel, chama a atenção para a necessidade inerente de segurança para redes 5G no seu Guia de referência dos operadores 5G. Nas respetivas palavras, “Serão desenvolvidas novas ameaças à medida que forem disponibilizados aos atacantes um ambiente de serviço em tempo real para desenvolverem as respetivas técnicas. O 5G é a primeira geração que reconhece esta ameaça e tem na respetiva base a segurança”. Quando se considera a multiplicidade de dispositivos e a multiplicidade de aplicações que irão encontrar o seu caminho no 5G, faz todo o sentido focar-nos na segurança desde a raiz. É obrigatório.

À medida que as normas e arquiteturas estão a tomar forma e estão nas respetivas primeiras fases de implementação, podemos esperar que os operadores ponham em prática defesas ainda mais rigorosas, como uma encriptação melhorada, formas de autenticar os dispositivos para garantir que não são maliciosos, criando “fatias” seguras da rede, e muito mais, o que pode melhorar a segurança.

Outra consideração de segurança, para além dos dispositivos e serviços emergentes que irão inundar as redes 5G, é o enorme volume de tráfego e dados que irão gerar. Uma estimativa coloca esse valor de tráfego 5G nos 79,4 zettabytes (ZB) de dados em 2025. (O que é um zettabyte? Imagine um 10 seguido por 21 zeros.) Esta ação exigirá uma evolução na segurança para utilizar de forma mais preponderante a aprendizagem automática e a IA para reduzir um volume de ameaças crescente com tecnologias semelhantes às que pode encontrar atualmente nos produtos de segurança da McAfee.

Os dispositivos IoT mais recentes estão cada vez mais presentes na sua casa

“Siri/Alexa/Cortana/Google, reproduzir Neko Case I Wish I Was the Moon.”

Estamos cada vez mais habituados à ideia de termos dispositivos ligados nas nossas casas, como os nossos assistentes inteligentes. Apenas em 2018, a Juniper Research estimou que haverá cerca de 8 mil milhões de assistentes digitais por voz à escala global em 2023, graças em grande parte a dispositivos como smartTV e outros dispositivos domésticos. Não se admire se vir mais dispositivos IoT como esses disponíveis para utilização na sua casa.

Que formato e forma terão? Para além da variedade de dispositivos ativados por voz, muitos dispositivos IoT irão ajudar-nos a automatizar cada vez mais as nossas casas. Por exemplo, pode ter sensores inteligentes no seu jardim que sabem quando as suas tomateiras estão com sede e ativar os seus aspersores de rega para dar-lhes de beber, ou outros sensores inteligentes colocados perto do seu esquentador de água que lhe enviarão uma SMS quando detetarem uma fuga.

Além disso, já se compram luzes ligadas e termóstatos inteligentes, por que não ligar todos estes dispositivos para criar predefinições para a sua casa? Imagine uma definição chamada “Noite de cinema” onde um simples comando de voz fecha os estores, reduz a luminosidade das lâmpadas, liga a lareira a gás e a máquina das pipocas. Só precisa de ir buscar os seus chinelos.

Em seguida, adicione uma camada de IA para casas, que pode aprender as suas preferências e hábitos. Algumas áreas da sua casa podem funcionar sozinhas e prever as suas necessidades, como o facto de que gosta do seu café a ferver às 05h30 da manhã todas as terças-feiras. A sua máquina de café ligada vai tê-lo pronto para si.

Estes cenários eram anteriormente apenas do tipo da família Jetson (lembra-se deles?), no entanto, cada vez mais pessoas terão a oportunidade de usufruir destes confortos e comodidades à medida que a tecnologia se torna mais generalizada e acessível.

Tecnologia para todos

Um ponto a considerar com qualquer tecnologia emergente como a IoT em 5G é o acesso.

Este ano revelou uma dura realidade: o acesso à Internet de alta velocidade, seja através de um dispositivo móvel ou de uma rede doméstica, já não é um luxo. É um serviço público. Como a água canalizada. Precisamos dela para trabalhar. Precisamos dela para estudar. Precisamos dela para efetuar operações bancárias, fazer compras e para simplesmente realizar as nossas tarefas.

No entanto a população das comunidades desfavorecidas e rurais nos EUA ainda não têm acesso à Internet de banda larga nas suas casas. Cerca de 6 em cada 10 pais americanos com menos rendimentos dizem que os respetivos filhos podem enfrentar obstáculos digitais  devido a um acesso reduzido a dispositivos e à qualidade do serviço de Internet. E ouvi histórias de professores sobre jovens que assistem a aulas online no parque de estacionamento da escola para terem acesso ao Wi-Fi, simplesmente porque não têm uma ligação de qualidade em casa.

A questão é a seguinte: à medida que estas inovações da IoT continuam a entrelaçar-se nas nossas vidas e a forma como o mundo funciona, não podemos esquecer que ainda existe uma divisão digital que levará anos de esforço, investimento e desenvolvimento para fechar esse fosso. E vejo-nos a fechar esse fosso em parceria, porque as pessoas e comunidades, empresas e governos,  beneficiam quando o acesso à tecnologia aumenta.

Assim, quando olhamos para o futuro, a minha esperança é que todos entendam as ligações à Internet de alta velocidade como aquilo que realmente são: um elemento absolutamente essencial, e tomemos as medidas necessárias para o conseguir. Esse é um avanço que adoto inteiramente.

Mantenha-se atualizado 

Para se manter atualizado em todos os assuntos McAfee e para obter mais recursos sobre como manter-se seguro a partir de casa, siga @McAfee_Home no Twitter, ouça o nosso podcast Hackable?, e ponha “Gosto” na nossa página do Facebook.

About the Author

Judith Bitterli

Judith Bitterli currently serves as Senior Vice President of Consumer Marketing at McAfee. She is a passionate advocate for online security, family safety and safeguarding our digital experiences. She has been in the security space for eight years and technology for over thirty years. She brings to her work a fundamental belief that online security ...

Read more posts from Judith Bitterli

Categories: Português
Tags: , ,

Subscribe to McAfee Securing Tomorrow Blogs