Sete dicas para proteger seus dispositivos IoT de saúde

Sete dicas para proteger seus dispositivos IoT saúde: mês de conscientização sobre segurança cibernética

Fitness tracker usados no pulso, monitores de glicose que testam o açúcar no sangue sem uma picada e escovas de dentes conectadas que avisam quando você perdeu um ponto. Bem-vindo ao sistema de saúde conectado. É um novo domínio de cuidados com grandes e pequenos avanços. Alguns você encontrará em sua casa, dentro do consultório do seu médico, mas todos eles estão conectados. O que significa que todos eles precisam ser protegidos. Afinal, eles não estão rastreando nenhum dado antigo. Eles estão rastreando nossos dados de saúde, uma das coisas mais preciosas que possuímos.

O que é saúde conectada?

Saúde conectada, também conhecida como medicina conectada é um tópico amplo. No lado do consumidor, ele cobre tudo, desde relógios inteligentes que rastreiam dados de saúde até monitores de pressão arterial sem fio que você pode usar em casa. Do lado do médico, ele é responsável por tecnologias que variam de registros eletrônicos de pacientes, dispositivos de diagnóstico habilitados para rede, monitoramento remoto de pacientes na forma de dispositivos vestíveis, aplicativos para terapia e até mesmo pequenas câmeras que podem ser engolidas na forma de um comprimido para obter uma visão do sistema digestivo de um paciente.

Além disso, também inclui visitas de telemedicina, onde você pode ter um problema médico diagnosticado e tratado remotamente por meio de seu smartphone ou computador através de uma videoconferência ou portal de um provedor de saúde – sobre o qual você pode ler mais em um dos meus blogs anteriores ano. Ao todo, grandes mudanças digitais estão ocorrendo na área de saúde, uma transformação que está tomando forma rapidamente no ritmo de um mercado global que deve chegar a $534,3 bilhões em 2025.

Privacidade e segurança em saúde conectada

Os avanços na área de saúde digital ocorreram mais lentamente em comparação com outros aspectos de nossas vidas, como dispositivos de consumo como telefones e tablets. A segurança é o principal motivo. Não apenas um dispositivo de saúde deve passar por um processo rigoroso de design e aprovação para garantir que seja seguro, sólido e eficaz, mas também deve obedecer a níveis rigorosos de regulamentação no que diz respeito à privacidade de dados médicos. Por exemplo, nos EUA, temos o Health Insurance Portability and Accountability Act de 1996 (HIPAA), que define os padrões de privacidade e segurança para determinadas informações de saúde.

Em conjunto, isso requer tempo de desenvolvimento adicional para qualquer dispositivo ou solução médica conectada, além do tempo necessário para desenvolver um com a eficácia adequada. Os fabricantes de dispositivos de saúde não conseguem agir tão rápido quanto, digamos, um fabricante de smartphones. E com razão.

Sete dicas para proteger seus dispositivos de saúde conectados

No entanto, para este blog, vamos nos concentrar no lado doméstico e pessoal da equação, com dispositivos como fitness trackers, monitores de glicose, relógios inteligentes e dispositivos vestíveis em geral, dispositivos de saúde conectados que cada vez mais de nós compramos nosso próprio. Para ser claro, embora esses dispositivos nem sempre possam ser categorizados como dispositivos de saúde no sentido mais estrito (e regulamentar), eles estão coletando seus dados de saúde, os quais você deve proteger de forma absoluta. Aqui estão algumas etapas simples que você pode seguir:

1) Primeiro, proteja seu celular

Muitos dispositivos médicos de IoT usam um smartphone como  interface e como um meio de reunir, armazenar e compartilhar dados de saúde. Portanto, seja você um proprietário de smartphone Android ou iOS, instale um software de segurança em seu celular para que possa proteger tudo o que ele acessa e controla. Além disso, a instalação protegerá você e seu celular em geral também.

2) Defina senhas fortes e exclusivas para seus dispositivos médicos IoT

Alguns dispositivos IoT estão abertos a ataques porque vêm com um nome de usuário e senha padrão que costumam ser publicados na Internet. Ao comprar qualquer dispositivo de IoT, defina uma senha nova usando  um método forte de criação de senha..  E mantenha essas senhas seguras. Em vez de mantê-las em um caderno ou em notas adesivas, considere usar um gerenciador de senhas.

3) Use autenticação de dois fatores

Você provavelmente já se deparou com a autenticação de dois fatores ao fazer transações bancárias, fazer compras ou fazer login em qualquer outro número de contas. Usar uma combinação de seu nome de usuário, senha e um código de segurança enviado para outro dispositivo que você possui (normalmente um celular) dificulta para os hackers invadirem seu dispositivo. Se o seu dispositivo IoT suporta autenticação de dois fatores, use-o para segurança extra.

4) Atualize seus dispositivos regularmente

Isso é vital. Certifique-se de ter as atualizações mais recentes para obter as funcionalidades mais recentes de seu dispositivo. É igualmente importante que as atualizações geralmente tenham atualizações de segurança. Se você pode configurar seu dispositivo para receber atualizações automáticas, faça-o.

5) Proteja seu roteador de internet

Seu dispositivo de IoT médico invariavelmente usará sua rede Wi-Fi doméstica para se conectar à Internet, assim como seus outros dispositivos. Todos os dados que passam ali já são de uso pessoal e privado, e isso vale o dobro para quaisquer dados de saúde que passem por eles. Use uma senha forte e exclusiva. Além disso, altere o nome do seu roteador para que ele não revele seu endereço ou identidade. Mais uma etapa é verificar se o roteador está usando um método de criptografia, como WPA2, que manterá seu sinal seguro. Você também pode querer investir em um roteador de Internet avançado que tenha proteção integrada, que pode proteger e monitorar qualquer dispositivo que se conecte à sua rede.

6) Use uma VPN e uma solução de segurança abrangente

Semelhante ao anterior, outra forma de proteger ainda mais os dados de saúde enviados pela Internet é usar uma rede privada virtual, ou  VPN. Uma VPN usa uma conexão criptografada para enviar e receber dados, o que a protege de olhares indiscretos. Um hacker tentando espionar sua sessão verá efetivamente uma confusão de dados, o que ajuda a manter seus dados de saúde seguros.

7) Ao comprar, pesquise

Um estudo recente descobriu que 25% dos proprietários de residências nos EUA com Internet banda larga esperam adquirir um novo dispositivo de saúde ou fitness conectado ao consumidor no próximo ano. Apenas garanta que o seu esteja seguro. Leia as análises e comentários sobre os dispositivos nos quais você está interessado, junto com novos artigos sobre seus fabricantes. Veja qual é seu histórico de segurança, como se eles expuseram dados ou deixaram seus usuários vulneráveis a ataques.

Cuide de sua saúde e de seus dados de saúde

Resumindo, quando falamos de saúde conectada, em última análise, estamos falando sobre uma das coisas mais pessoais que você possui: seus dados de saúde. Isso é o que está sendo coletado. E é isso que está sendo transmitido por sua rede doméstica. Tome essas medidas extras para proteger seus dispositivos, dados e a si mesmo enquanto aproveita os benefícios do cuidado conectado que traz para sua vida e casa.

Mantenha-se atualizado

Para se manter atualizado sobre todas as coisas da McAfee e para obter mais recursos sobre como se manter seguro em casa, siga @McAfee_Home no Twitter, ouça nosso podcast Hackable?, e “Curta-nos” no Facebook.

 

FacebookLinkedInTwitterEmailCopy Link

Stay Updated

Follow us to stay updated on all things McAfee and on top of the latest consumer and mobile security threats.

FacebookTwitterInstagramLinkedINYouTubeRSS

More from Português

Back to top