Contexto

A questão de imigração que mais afeta a McAfee e o resto do setor de tecnologia é o programa de vistos H-1B dos Estados Unidos. O programa H-1B permite que empresas nos EUA empreguem estrangeiros temporariamente para cargos que exijam a aplicação teórica e prática de um corpo de conhecimentos altamente especializado, além de um diploma de bacharel (ou superior) na especialidade em questão ou outro equivalente. Cargos especializados que se enquadram no H-1B podem incluir os campos de ciência, engenharia e tecnologia da informação. O congresso define uma quantidade fixa de H-1Bs por ano, e esse número é conhecido como o “teto do H-1B”. Para 2018, o teto é de 65.000, com 20.000 adicionais para possuidores de mestrado.

Ao longo dos anos, o setor de tecnologia dos EUA tem apoiado fortemente o aumento do teto de H-1Bs para que seja possível preencher lacunas no quadro de habilidades de TI. A falta de profissionais de TI qualificados é bem documentada, e o problema aumenta a cada ano. Por exemplo, há mais de 500.000 vagas abertas no setor de computação em todo o país, mas apenas 42.969 estudantes de ciência da computação se graduaram e entraram para a força de trabalho, de acordo com o Code.org. Na segurança cibernética, estima-se que a falta de mão de obra qualificada chegará a 1,8 milhão em 2022, de acordo com o mais recente estudo Global Information Security Workforce Study sobre a força de trabalho global de segurança da informação. Portanto, embora a situação não tenha sido sempre assim, a falta de mão de obra na área de tecnologia se tornou um argumento para o aumento na quantidade de H-1Bs disponíveis.

Importância para a McAfee

A McAfee depende de funcionários altamente qualificados nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática para gerar produtos inovadores e atender às crescentes necessidades de segurança de nossos clientes. Nossa primeira opção sempre é contratar profissionais altamente qualificados dos EUA. Porém, nas situações específicas nas quais não é possível contratar mão de obra local, usamos o programa H-1B para atender às nossas necessidades de contratações. É por isso que apoiamos a posição do setor, que demanda uma abordagem baseada no mercado e que permita aos empregadores decidir os tipos de profissionais de que precisam.

Recomendações de políticas

  • Para lidar com os complexos desafios de segurança que as empresas enfrentam hoje, o setor de tecnologia, o governo e o setor acadêmico devem trabalhar consideravelmente para aumentar a quantidade de profissionais de segurança cibernética na força de trabalho. Para contribuir para esse fim, a McAfee apoia o programa de vistos H-1B para suplementar as contratações de funcionários altamente qualificados e inovadores nos EUA.
  • Uma abordagem abrangente e de longo prazo para resolver o problema da escassez de profissionais deve envolver a eliminação das barreiras de entrada no campo e o aumento das oportunidades de qualificação, garantindo que pessoas talentosas com históricos diversos tenham a oportunidade de suprir o crescente déficit de talentos nas áreas de TI e segurança cibernética.

    • As realidades de um mercado de trabalho global também implicam em uma disputa global por talentos. Portanto, precisamos realizar reformas eficazes de imigração que permitam que as mentes mais talentosas do mundo trabalhem mais facilmente nos EUA, ao lado dos indivíduos inovadores, empreendedores e talentosos de nossa força de trabalho local. 
  • Nós concordamos com o Technology Industry Council (ITI), que defende a reforma da imigração altamente qualificada que complementa e aprimora a força de trabalho extraordinariamente talentosa dos EUA para fortalecer as operações de negócios dos EUA hoje e no futuro. Nós também concordamos que a reforma da imigração altamente qualificada deve investir em programas eficazes de educação e treinamento nos EUA que preparem futuros inovadores e empreendedores para promover a liderança e o sucesso global da nossa nação.
  • O governo, o setor de tecnologia e as instituições acadêmicas devem trabalhar juntos para preencher a lacuna de talentos na segurança cibernética. A McAfee apoia o programa CyberCorps Scholarship for Service (SFS), um programa de bolsas gerenciado pela National Science Foundation (NSF).

    • Considerando-se o tamanho e a escala do déficit de habilidades cibernéticas, os criadores de políticas deveriam aumentar consideravelmente o tamanho do programa, possivelmente na casa dos US$ 180 milhões. Nesse nível de financiamento, o programa poderia comportar aproximadamente 6.400 bolsistas.
    • Nós também recomendamos a expansão do SFS, ou a criação de um programa semelhante focado em universidades comunitárias conhecidas nos EUA como “community colleges”. Esse tipo de universidade costuma atrair diversos tipos de estudantes, incluindo veteranos que voltaram a estudar e estudantes adultos que seguiram outras carreiras, ou até mesmo aqueles que trabalham em meio expediente ou período integral. Essa abordagem também poderia ampliar a diversidade étnica e racial do programa cibernético, algo profundamente necessário no campo.
  • Outros investimentos também são muito necessários em outras áreas, como por exemplo, na apresentação de estudantes de ensino médio e secundário às disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Os empregos envolvendo essas disciplinas devem ultrapassar 9 milhões entre 2012 e 2022, de acordo com o mais recente Bureau of Labor Statistics citado pelo  STEM Education Coalition  de Washington, D.C.