A vida detrás dos ecrãs de pais e adolescentes: Estudo McAfee 2022 sobre famílias ligadas

Como é que pais e filhos se ligam e protegem online? Falámos com milhares de pais e filhos em todo o mundo para descobrir.

Em Dezembro de 2021 realizámos um estudo acerca das convicções e comportamentos sobre a vida online entre membros de famílias ligadas – como indivíduos e como unidade familiar. Os pais e os filhos foram inquiridos em conjunto. Os pais responderam primeiro e depois trouxeram os seus filhos para consentirem e responderem, o que conduziu a conclusões que representam as famílias ligadas de 10 países diferentes.

Através deste estudo, descobrimos convicções universais sobre a proteção online, juntamente com vários aspetos: todos eles identificam algumas tensões entre pais e filhos quando se trata de se manterem seguros enquanto desfrutam da sua vida online.

Foram apresentados quatro tópicos amplos através deste estudo, e várias conclusões de seguimento com cada tópico. Neste artigo, vamos ver cada tópico e abordar algumas das várias conclusões encontradas dentro de cada um deles, seguido de uma ligação onde pode transferir o relatório completo com o seu conjunto total de informações e tendências.

Tópico um: Maturidade móvel

À medida que os pré-adolescentes e adolescentes parecem tornar-se adultos, a sua vida online também amadurece, de muitas maneiras que não reparamos.

O nosso estudo concluiu que as crianças entre os 15 e os 16 anos aumentam significativamente a utilização de dispositivos móveis, de tal forma que se aproximam dos níveis que manterão na idade adulta. No entanto, as suas vidas ligadas começam muito mais cedo, com os smartphones e os dispositivos móveis como introdução à vida online. O resultado é que a maioria dos pré-adolescentes e adolescentes de hoje têm acesso à Internet na palma da mão, o que os expõe a um mundo online mais amplo cheio de aplicações, chats, entretenimento e redes sociais – juntamente com benefícios e riscos quase de imediato.

No que diz respeito aos riscos, os pré-adolescentes e adolescentes relataram a sua experiência com o cyberbullying, roubo de contas e utilização não autorizada dos seus dados pessoais. Parece que várias crianças foram expostas a estes riscos numa idade precoce.

Enquanto estas experiências começam cedo, com crianças de 10-14 anos, a exposição aos riscos online aumenta à medida que os adolescentes crescem. Aos 17-18 anos, as denúncias de cyberbullying aumentam para 18%, as tentativas de roubo de uma conta online para 16%, e a utilização não autorizada de dados pessoais para 14%.

Tópico dois: Os pais como protetores de segurança

No que diz respeito à vida online, as crianças esperam que os seus pais os mantenham seguros. Apesar de os pais aceitarem essa função, o nosso estudo descobriu que os pais parecem ter alguma dificuldade em cumpri-la.

As crianças disseram que os seus pais são as pessoas mais adequadas para os ensinarem a protegerem-se online, colocando-os na primeira posição em todas as categorias. Quase três quartos das crianças indicaram os pais, quase o dobro do que os professores na escola (39%), e mais do dobro do que os recursos online (34%).

Observando os detalhes dessa resposta, 63% dos pré-adolescentes e adolescentes em todo o mundo sentem que os seus pais sabem o suficiente para protegerem a sua segurança e privacidade. Este valor foi mais elevado para as crianças mais novas (65%) e diminuiu à medida que chegavam ao final da adolescência (55%). Como já foi referido anteriormente, um número crescente de crianças no final da adolescência têm experimentado riscos online, criando uma menor confiança de que os seus pais têm os conhecimentos necessários para as manterem seguras.

Os pais reconhecem a sua função como protetores online, tal como reconhecem a sua responsabilidade em proteger os seus filhos no mundo real. Uma esmagadora percentagem de 90% dos pais em todo o mundo concordou com este sentimento. Tal como os seus filhos, os pais sentem que os professores na escola também desempenham essa função, com 36%. No entanto, a sua segunda melhor resposta foi a dos fornecedores de Internet, com um peso de 41%.

No entanto, enquanto os pais dizem que se veem a si próprios como protetores, existe uma falha entre a intenção e o esforço. Em PC e computadores portáteis, os pais indicaram as medidas de proteção online que tomaram para si próprios, que parecem relativamente escassas, dada a disponibilidade e facilidade de utilização de tais medidas – como instalar software antivírus (68%), proteger o computador com uma palavra-passe (58%) ou visitar apenas lojas online conceituadas quando fazem compras (50%).

Estes números diminuem ainda mais quando se pergunta se tomaram precauções semelhantes para os seus filhos. Assim, como os pais se protegem pouco, protegem ainda menos aos seus filhos.

Além disso, relativamente à proteção de smartphones, os números eram igualmente baixos, e por vezes inferiores à taxa de proteção em PC e computadores portáteis. Por exemplo, enquanto 56% dos pais disseram que protegem o seu smartphone com uma palavra-passe ou código de acesso, apenas 42% disseram que fazem o mesmo para o smartphone da sua criança, uma redução de mais 14%.

Tópico três: As vidas secretas online dos pré-adolescentes e adolescentes 

Não é segredo que os adolescentes e os pré-adolescentes podem ocultar as suas atividades online. De facto, foi o que afirmaram.

A nossa pesquisa descobriu que mais de metade das crianças (59%) tomam algumas medidas para ocultar as suas atividades online. Quando solicitados detalhes, os pré-adolescentes e os adolescentes mencionaram o seguinte:

  • Limpar o histórico do browser: 26%.
  • Fechar/minimizar o browser quando os pais entram na sala: 21%.
  • Ocultar ou eliminar mensagens instantâneas ou vídeos: 15%.
  • Navegar no modo incógnito: 15%.
  • Mentir ou omitir detalhes sobre as atividades online: 15%.
  • Usar um dispositivo que os pais não controlam: 10%.

À medida que as crianças crescem, estas atividades para manter a privacidade aumentam, particularmente quando se trata de limpar o histórico e usar o modo incógnito no browser.

Da mesma forma, não é segredo que as crianças falam em privado online com pessoas que não conhecem. Quando inquiridos se acham que os filhos têm conversas com pessoas sem conhecer a sua verdadeira identidade, 34% dos pais disseram que sim. Quanto às crianças, 37% disseram que sim, marcando uma diferença de 3% entre pais e filhos.

Discriminadas por faixa etária, 36% das crianças dos 10 aos 14 anos dizem que têm estas conversas, e aumenta até 41% dos 15 aos 16 anos. Mais tarde, dos 17 aos 18 anos, esse número diminui para 39%.

Tópico quatro: Preconceitos de proteção de género

Em nosso estudo, os pais disseram que tomam medidas diferentes para rapazes e raparigas quando se trata de os proteger online. Um aparente preconceito de género protege mais as raparigas do que os rapazes, no entanto são os rapazes que enfrentam mais problemas online.

O controlo da segurança online das crianças pode ser feito de várias formas, algumas delas incluem aplicações e software no dispositivo da criança, outras exigem que os pais tomem uma atitude mais ativa.

Quanto à segurança nos dispositivos, o software de controlo parental fornece um método de monitorização da atividade online, com funcionalidades que vigiam a atividade das crianças, limitam o tempo de utilização e bloqueiam e filtram determinadas aplicações e Web sites.

O software de controlo parental parece continuar a ser uma opção popular. Em PC e computadores portáteis, 33% dos pais afirmaram utilizá-lo. Em dispositivos móveis, o número também foi de 33%.

Além disso, os pais disseram que contavam com outras abordagens para ajudar a manter os seus filhos em segurança, citando várias outras formas de supervisionar o tempo dos seus filhos online. Por exemplo, no caso de monitorizar a atividade no dispositivo móvel dos filhos, os pais dizem que:

  • Limitam a hora do dia ou o período de tempo em que a criança pode utilizar o dispositivo: 59%.
  • Verificam os Web sites ou aplicações que a criança visita ou utiliza: 56%.
  • Consultam os registos de chamadas ou mensagens SMS no smartphone que a criança utiliza: 40%.
  • Pedem amizade ou seguem a criança em sites das redes sociais: 35%.
  • Monitorizam a localização da criança através de aplicações GPS ou de software: 30%.

No entanto, segundo a idade e o sexo, há diferenças na utilização dos controlos parentais. As raparigas pré-adolescentes e no início da adolescência têm mais proteção de software de controlo parental do que os rapazes.

Por exemplo, as raparigas de 10-14 anos tinham mais probabilidades do que os rapazes da mesma idade de ter controlo parental nos computadores portáteis em todos os países inquiridos (exceto no Canadá), e nos telemóveis em todos os países (exceto na Alemanha).

Esta tendência estende-se a várias abordagens mais práticas, em que são aplicadas às raparigas com mais frequência do que aos rapazes. Por exemplo, nos Estados Unidos:

  • 47% dos pais dizem que verificam o histórico de navegação e de correios eletrónicos no PC das suas filhas com idades entre os 10 e os 14 anos. Para os rapazes da mesma idade, esse valor é muito inferior, com 33%.
  • Os números para dispositivos móveis foram também semelhantes, com os controlos para raparigas a indicar 48% e 35% para os rapazes.

Com base nos relatórios dos rapazes, é mais provável que sofram mais frequentemente ameaças online do que as raparigas – desde tentativas de roubo de conta, fugas de informações financeiras e utilização não autorizada dos seus dados pessoais.

No entanto, são as raparigas que adotam atividades online a um ritmo muito mais rápido do que os rapazes, pelo menos no telemóvel. As raparigas dos 10 aos 14 anos tendem a transmitir música, utilizar redes sociais e fazer compras online mais do que os rapazes da sua idade.

No total, as raparigas afirmam que aproveitam os benefícios da vida online mais cedo do que os rapazes e com relativamente menos problemas de segurança. Entretanto, essa equação é inversa para os rapazes. As suas vidas online amadurecem mais lentamente e, no entanto, são frequentemente confrontados com problemas de segurança.

Outras conclusões

Vimos como as crianças pequenas se comportam quando atingem a maturidade, pelo menos em termos das suas vidas online.

A meio da adolescência utilizam computadores, computadores portáteis e smartphones com uma frequência que manterão até à idade adulta. Assim, já sentem alguns dos riscos e problemas que os adultos correm, como tentativas de roubo de contas, utilização indevida de dados e fugas de informações financeiras.

Estes riscos representam algumas das muitas informações e tendências encontradas no nosso relatório completo sobre as famílias ligadas. Outras incluem diferenças notáveis entre países, tais como quais os países que relatam os níveis mais elevados de cyberbullying e qual o país que tem quase 100% das crianças mais novas a dizer que utilizam um smartphone regularmente. No entanto, outras conclusões revelam perceções sobre o tempo de utilização, a utilização de videojogos, e uma discriminação das principais atividades online dos adolescentes e muitas outras formas de as famílias crescerem juntas através das suas vidas online.

Clique aqui para obter uma cópia completa do relatório.

Metodologia do inquérito

Em Dezembro de 2021, a McAfee LCC realizou um estudo acerca das convicções e comportamentos sobre a participação e proteção online entre membros de famílias ligadas – como indivíduos e como unidade familiar.

Inquérito global aos pais e crianças, com as crianças a responder ao lado dos seus pais.

Os pais e os filhos foram inquiridos em conjunto, os pais responderam primeiro e depois trouxeram os seus filhos para consentirem e responderem.

Estas conclusões representam famílias ligadas e não grupos de indivíduos.

Em vários países participaram no estudo 15.500 pais de crianças dos 10 aos 18 anos de idade, bem como mais de 12.000 filhos.

A pesquisa foi realizada entre 13 e 29 de Dezembro de 2021 pela MSI-ACI através de um questionário online a 15.500 pais e 12.057 crianças de 10 países.

FacebookLinkedInTwitterEmailCopy Link

Mantenha-se atualizado

“Siga-nos para se manter atualizado sobre a McAfee e ficar por dentro das mais recentes ameaças à segurança móvel e do consumidor.”

FacebookTwitterInstagramLinkedINYouTubeRSS

Mais De Segurança familiar

Back to top