Como proteger os seus filhos dos riscos da transmissão em fluxo

As aplicações de transmissão em fluxo dominam o mercado oferecendo aos utilizadores de redes sociais a possibilidade de ligarem a qualquer pessoa, em qualquer momento ou em qualquer lugar do mundo.  

O que é a transmissão em fluxo? É a simples transmissão de vídeo no seu telemóvel para outras pessoas em tempo real. Algumas das aplicações mais populares hoje são Facebook Live, Periscope e LiveStream, mas existem muitas mais, como o Instagram Live, YouTube e Meerkat. A maioria das aplicações oferecem comunidades de utilizadores integradas e todas são direcionadas a adolescentes, o que desperta preocupações sobre a segurança da transmissão em fluxo. 

Esta tecnologia é muito atrativa, mas apresenta alguns perigos óbvios para os adolescentes. Perigos esses que os pais não podem ignorar. Atualmente, a preocupação sobre estas aplicações centra-se na privacidade e em conteúdo inapropriado. Apesar de a transmissão em fluxo de uma criança a jogar um videojogo na plataforma Twitch parecer inocente, algumas interações com estranhos na função de chat pode ser mais preocupante.

E claro, o medo de que o seu filho veja algo realmente perturbante, como um suicídio em direto, é o suficiente para estar atento às repercussões destas tecnologias.  Aprendemos da pior maneira que o que é divertido online para as crianças costuma ser também arriscado para a privacidade pessoal, a segurança e a saúde mental. 

Passei algumas horas a explorar cada uma destas aplicações. A tecnologia é incrível. Mas após alguns minutos em cada aplicação, o fascínio da aplicação desapareceu e os perigos tornaram-se evidentes. Há adolescentes que transmitem em fluxo a si próprios durante breves momentos ou durante horas. O que estão a fazer? Nada de especial, apenas se divertem. Respondem a perguntas de utilizadores aleatórios que clicam nos seus perfis em direto (o objetivo é receber favoritos e fãs para que um utilizador que transmite em direto suba na classificação ou tendências.) Alguns jovens cantam, outros dançam e alguns mostram os seus corpos. Alguns falam sem limitações, partilham segredos com estranhos. A maioria dos utilizadores que vi pareciam ter entre 12 e 18 anos. 

Não era invulgar descobrir várias adolescentes a falar diante dos seus telemóveis deitadas na cama de modo sedutor. Muitas crianças estavam em casa sozinhas e sem supervisão. Como sei isto? Porque utilizadores aleatórios no chat lhes perguntavam se estavam em casa sozinhos e eles confirmavam-no. Também respondiam quando lhes perguntavam a idade, em que escola estudavam e onde viviam (informações pessoais que podiam ser utilizadas para revelar a sua identidade ou contactá-los). 

A verdade é que estas aplicações podem abrir as portas para o acosso online, conteúdo inapropriado predadores sexuais e muito mais. Na verdade, estas aplicações não se destinam a ser utilizadas por adolescentes e os seus termos de utilização indicam exatamente isso. No entanto, muitos jovens utilizam estas aplicações para ver, ser vistos, receber “gostos” e contactar com colegas de uma forma inovadora e excitante. Provavelmente, não procuram os conteúdos perturbadores que podem eventualmente encontrar, por isso verifique os seus ecrãs e tenha uma conversa importante com eles. 

Temas de discussão para as famílias: 

Fale sobre os aspetos positivos. Comece sempre pelos aspetos positivos. Converse com os seus filhos sobre a atração das transmissões em direto, de alguns modos positivos como os seus amigos e outros utilizam as aplicações e o que acham das funcionalidades de comentários. Fale sobre os modos excitantes como estas aplicações podem ser utilizadas com a tecnologia atual. Discuta potenciais perigos.Pergunte às crianças quais são os aspetos negativos que podem ocorrer quando utilizam as aplicações. Vejam uma das aplicações juntos e inclua algumas transmissões de adolescentes. Peça ao seu filho que indique alguns potenciais perigos no tipo de conteúdo que a pessoa está a partilhar, o seu ambiente, ou a forma como estão vestidos. Vejam também os comentários; discutam o tom, intenção e simpatia. Destaque os pontos positivos e negativos dos comportamentos observados. 

  1. Converse sobre as exceções.Se o seu filho tem um amigo que irá transmitir a partir de um evento especial, como um jogo de futebol escolar, uma festa de aniversário, um baile de formatura, pode utilizar uma das aplicações segundo o caso. 
  2. Converse sobre a privacidade.Se decidir permitir que o seu filho utilize aplicações de transmissão em fluxo, certifique-se de que conversam antes sobre a privacidade e os direitos de autor. Filmes, concertos, eventos desportivos ou qualquer evento pago, são propriedade de alguém e não devem ser partilhados. Além disso, certifique-se de que têm a permissão das outras pessoas presentes antes de transmitir e que tenham cuidado com a partilha de arte ou música originais.Em seguida, converse sobre como podem proteger a sua própria privacidadeMencione a importância de manter a privacidade de informações confidenciais, como a sua localização exata e detalhes de identidade, quando navega online. 
  3. Utilize controlos parentais. Alguns serviçosde transmissão em fluxo, como Twitch, oferecem controlos parentais que permitem moderar o tipo de conteúdo queo seu filho pode encontrar, por isso ative estas definições. 

 

Para uma camada adicional de segurançaMcAfee’s Total Protection – Agregado familiar com Safe Family ajudam os pais a manter os seus filhos seguros quando utilizam Web sites e aplicações 

 

Procura mais sugestões e tendências de segurança móvel? Siga @McAfee_Home no Twitter e goste no Facebook. 

FacebookLinkedInTwitterEmailCopy Link

Stay Updated

Follow us to stay updated on all things McAfee and on top of the latest consumer and mobile security threats.

FacebookTwitterInstagramLinkedINYouTubeRSS

More fromConsumer

Back to top