Telemóveis e adolescência: o que há detrás dos ecrãs de bloqueio?

À medida que os nossos pré-adolescentes e adolescentes parecem tornar-se adultos, a sua utilização de dispositivos móveis também amadurece para a idade adulta – de muitas maneiras que não reparamos.

Raparigas e rapazes atingem o pico de utilização de dispositivos móveis mais ou menos com a mesma idade, aos 15 anos. Sua utilização móvel aumenta significativamente então, e atinge um nível que continua na idade adulta. Esta é uma das várias conclusões obtidas com o nosso inquérito global aos pais, pré-adolescentes e adolescentes este ano.

O que fazem os pré-adolescentes e os adolescentes nos seus dispositivos móveis na etapa de crescimento? E qual é o papel dos seus pais? Fizemos esta pergunta tanto aos pais quanto aos filhos. O que descobrimos permite-nos ter uma imagem da vida móvel dos pré-adolescentes e adolescentes oculta detrás dos seus ecrãs de bloqueio.

O telemóvel é o dispositivo mais importante: muito mais para as crianças do que para os seus pais

Para começar, tanto os pais como as crianças dizem que o seu dispositivo móvel é o mais importante na sua vida. Os pais colocaram o telemóvel nos seus dois primeiros lugares, com o seu dispositivo móvel ou smartphone, com 59%, seguindo-se o seu computador ou portátil com 42%. Os pré-adolescentes e adolescentes colocam também o seu dispositivo móvel ou smartphone no topo da lista, mas com um decisivo 74% a nível mundial, seguindo-se a sua consola de jogos com 68%.

“Tanto os pais como as crianças dizem que o seu dispositivo móvel é o mais importante na sua vida.”

Além disso, os pré-adolescentes e os adolescentes atribuem um valor mais elevado aos seus smartphones para os manterem ligados a amigos e familiares. Cerca de 59% dos pais disseram que o telemóvel era essencial neste papel, enquanto os pré-adolescentes e os adolescentes colocam esse valor em 64%. Para os pais, o dispositivo para se manterem ligados no segundo lugar do pódio era o computador ou portátil com 42%.

No entanto, de forma bastante interessante, os pré-adolescentes e adolescentes disseram que o seu segundo dispositivo mais importante para comunicarem com outras pessoas é a sua consola de jogos, com 40%, talvez indicando o papel dos jogos na criação e promoção das amizades hoje em dia. Claro que muitos desses jogos estão também nos telemóveis. Sendo assim, metade de todos os pré-adolescentes e adolescentes inquiridos em todo o mundo afirmam que jogam nos seus smartphones.

Não é nenhum segredo: os miúdos ocultam o que fazem online. Mas como?

Geralmente, as atividades que os jovens fazem nos seus telemóveis correspondem ao que os pais pensam que as crianças estão a fazer. No entanto, uma parte dessas atividades é secreta.

Relativamente às atividades em geral, os pais e os seus filhos pré-adolescentes e adolescentes em todo o mundo concordam com quais são as atividades preferidas dos seus filhos no telemóvel e o que as crianças dizem efetivamente fazer:

  • Ver vídeos curtos (YouTube) – os pais pensam que é 66%; as crianças dizem que é 67%
  • Navegar na Internet – os pais pensam que é 64%; as crianças dizem que é 66%
  • Reproduzir música – os pais pensam que é 53%; as crianças dizem que é 55%

No entanto, e talvez sem qualquer surpresa, os pré-adolescentes e os adolescentes dizem ter ocultado dos seus pais algum conteúdo que viram, pesquisaram e transmitiram. Quando lhes perguntaram se por vezes escondiam atividade online específica dos seus pais, 59% dos pré-adolescentes e adolescentes em todo o mundo disseram que o tinham feito de alguma forma, incluindo:

  • Limpar o histórico do browser: 26%
  • Fechar/minimizar o browser quando os pais entram na divisão: 21%
  • Ocultar ou eliminar mensagens instantâneas ou vídeos: 15%
  • Mentir ou omitir detalhes sobre atividades online: 15%
  • Usar um dispositivo que os seus pais não verificam: 10%

Vigiar os filhos: os pais costumam ter uma abordagem mais tradicional para monitorizar os dispositivos móveis

A nível mundial, a utilização de aplicações de monitorização pelos pais para controlarem a utilização dos dispositivos móveis dos seus filhos é relativamente baixa. A utilização de software de controlo parental em smartphones obteve uma média global de 27%, liderada pela Índia (37%) e a França (33%), enquanto o Japão ficou no último lugar com (12%).

Em grande parte, os pais parecem assumir eles próprios esta tarefa, citando várias outras formas de vigiarem o que os seus filhos fazem online:

  • Limitar a hora do dia ou o período de tempo em que a criança pode utilizar o dispositivo: 59%
  • Verificar os websites ou aplicações que a criança visita ou utiliza: 56%
  • Consultar os registos de chamadas ou mensagens SMS num smartphone que a criança utilize: 40%
  • Pedir amizade ou seguir seu filho em sites de redes sociais: 35%
  • Monitorizar a localização do jovem através de aplicações GPS ou software: 30%

Os dispositivos móveis dos seus filhos estão menos protegidos. Por isso, podem ser vítimas de pirataria e ataques

Coincidente com outros resultados de investigações que recolhemos recentemente, as famílias confiam cada vez mais nos telemóveis, mas não se verifica um aumento na proteção móvel para os smartphones de que dependem.

A nossa investigação publicada no início de 2021 descobriu aumentos na ordem dos dois dígitos em atividades móveis, tais como atividades bancárias online, compras, finanças e visitas médicas. Tudo isto pode gerar dados valiosos que são atraentes para hackers e cibercriminosos. Apesar de esta nova dependência do telemóvel, muitos smartphones em todo o mundo permanecem desprotegidos. Os telemóveis das crianças também estão menos protegidos do que os telemóveis dos seus pais.

Em conjunto, estes lapsos de segurança podem levar à transferência de malware, roubo de dados e de identidade, aplicações de criptomineração ilícita no dispositivo, e outros ataques que podem colocar crianças e famílias em risco.

Os mal-entendidos sobre a proteção online podem desempenhar um papel nestas medidas menos restritivas. Este inquérito concluiu que 49% dos pais julgam que um novo telemóvel é mais seguro do que um novo computador, e 59% dos pré-adolescentes e adolescentes pensam que um novo telemóvel é mais seguro. Ambos negam a realidade de que os smartphones, e as pessoas que os utilizam, estão sujeitos a ataques como com qualquer outro dispositivo que se ligue à Internet.

Desta forma, mais de 1/3 das famílias comunicaram que uma criança do seu agregado familiar tinha sido vítima de uma fuga de informação financeira, e 15% afirmaram ter existido uma tentativa de roubar a conta ou identidade online de uma criança. Com os smartphones a fornecerem aos jovens uma grande rampa de acesso à Internet, conclui-se que uma segurança móvel mais forte poderia ajudar a evitar que tais ataques acontecessem.

Os pré-adolescentes e adolescentes em vários países dependem em grande parte do telemóvel para a aprendizagem online

A proteção dos dispositivos móveis e dos membros da família que dependem destes ganha ainda mais importância quando consideramos que as crianças em alguns países dependem fortemente dos seus smartphones para a aprendizagem online.

Embora a utilização do telemóvel para aprendizagem online tenha sido relativamente baixa a nível mundial, com 23%, os pais e as crianças de três países comunicaram uma elevada taxa de frequência de aulas e cursos no telemóvel: a Índia com 54%, o México com 42%, e o Brasil com 39% – o que indica outra vez a possibilidade de o telemóvel oferecer a muitas crianças a ligação de banda larga mais fiável necessária para o ensino. Por outras palavras, há agregados familiares onde a banda larga é fornecida através de dados móveis, em vez de uma ligação por cabo ou fibra.

Entretanto, outros países registaram números significativamente mais baixos para a aprendizagem online no telemóvel, tais como a Alemanha com 7%, França com 8%, e Japão com 11%. Os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido comunicaram todos taxas de 17%.

Estimular os seus filhos com o telemóvel: estão a crescer diante dos seus olhos

“Com os smartphones a fornecerem às crianças uma grande rampa de acesso à Internet, conclui-se que uma segurança móvel mais forte poderia ajudar a evitar que tais ataques acontecessem.”

Algo que ainda não mencionámos é a quantidade de compras e transações bancárias online que as crianças fazem nos seus dispositivos móveis. Sem dúvida, os pré-adolescentes e os adolescentes também estão a fazê-lo a uma taxa global de 25% e 12% em todas as faixas etárias, respetivamente. Sem qualquer surpresa, esses números sobem à medida que os adolescentes se aproximam da idade adulta. O que serve como lembrete de que os nossos filhos estão a amadurecer juntamente com os seus smartphones, e que nos responsabiliza como pais à medida que crescem e se adaptam ao seu mundo móvel.

Tal como tudo na educação dos nossos filhos, há momentos em que tem a noção do que está correto para si e para o seu filho, mas não tem a certeza de como agir. Este é definitivamente o caso dos smartphones, e da Internet em geral. Apesar de termos crescido com a Internet ao longo da nossa vida adulta, ainda podemos ter muitas perguntas. Perguntas novas. Perguntas antigas. Perguntas que nem tínhamos noção de que existiam até aparecerem.

Por isso, estamos contentes por ter visitado o nosso blogue. E claro que está convidado a visitar sempre que quiser. Uma das nossas maiores prioridades é fornecer-lhe a si, como pai, recursos que respondam às suas perguntas, para além de artigos sobre proteção online em geral que sejam fáceis de ler. O nosso objetivo é ajudá-lo a decidir o que é melhor para a sua família e sugerir-lhe algumas sobre como pode realizá-las, especialmente à medida que os nossos filhos crescem no atual mundo móvel. Para ver em detalhe, consulte o relatório completo (em inglês) aqui.

FacebookLinkedInTwitterEmailCopy Link

Mantenha-se atualizado

Siga-nos para se manter atualizado sobre a McAfee e ficar por dentro das mais recentes ameaças à segurança móvel e do consumidor.

FacebookTwitterInstagramLinkedINYouTubeRSS

Mais De

Back to top